Tips para melhorar a produtividade através de indicadores de qualidade

Desarrollo talento empresa

 

  1. Desarrollo talento empresa
  2. Tips para melhorar a produtividade através de indicadores de qualidade

Indicadores de calidad de la productividadSente que está a esbanjar horas e horas para recompilar e analisar dados sem que isso repercuta na produtividade da empresa? Nesse caso, provavelmente não está a aplicar os indicadores de qualidade corretamente. A medição estatística da gestão empresarial através de indicadores nos vai permitir conhecer o desempenho de todos os processos e sistemas da companhia, como é o caso da produtividade.

 
Guia: Como ser um bom líder de equipa?

O plano de gestão: ponto de partida

O primeiro passo para desenvolver os indicadores de qualidade é a elaboração de um plano de gestão, um documento em que definiremos os seguintes pontos:

  • Objetivo que queremos alcançar alinhado com a estratégia corporativa
  • Âmbito e área que vamos estudar
  • Pessoal encarregado da missão
  • Recursos materiais destinados a tal fim
  • Frequência da medição
  • Fórmulas de cálculo das métricas
  • Parâmetros mais adequados
  • Ferramentas que usaremos para a sua interpretação e registo: diagramas, folhas de verificação, gráficos de controlo, histograma, diagrama de Pareto, estratificação, diagrama de dispersão…
  • Processo de seguimento dos indicadores
  • Medidas corretivas

 

Tipos de indicadores de qualidade para medir a produtividade

Chegados a este ponto, como avaliamos a produtividade da empresa? Para conhecer a relação existente entre os bens e serviços produzidos e os recursos e tempo utilizados em tal propósito, podemos utilizar os seguintes indicadores de qualidade:

  • Rácio de atividade. Com ele poderemos estabelecer o tempo real que dedicamos a desenvolver atividades laborais, desde que a pessoa ou equipa começa a trabalhar até que termina. Embora sejam similares, este indicador não tem porquê coincidir com o horário laboral em si, já que um empregado com jornada de 9 a 14 horas pode entrar minutos antes ou sair mais tarde para adiantar tarefas ou, pelo contrário, dedicar uma hora a uma pausa, períodos que não são contabilizados na métrica da atividade. Com este indicador conheceremos o tempo que requer a realização de um produto ou serviço e poderemos compará-lo com a jornada laboral efetiva, para fazer ajustes que melhorem a produtividade.
  • Indicador produtividade vs. atividade. Neste caso, esta métrica permite-nos determinar quanto tempo se destina a atividades produtivas do total de horas que o empregado ou grupo de trabalho dedica a tarefas relacionadas com o trabalho. Por exemplo, um contabilista pode passar 8 horas ao dia a trabalhar, mas só 6 são utilizadas na gestão de contas, enquanto que as outras duas são monopolizadas por chamadas telefónicas. É necessário que esta pessoa se encarregue desta atenção telefónica? Conhecendo este dado poderemos organizar funcionalmente a empresa para que seja mais produtiva.
  • Tempo médio de atividade. Porquê um operário pode fabricar três unidades à hora e outro somente uma? Outra estatística que nos ajudará a optimizar os processos produtivos será conhecer o tempo médio que dedicamos à realização de um bem ou serviço.
  • Uso de aplicações. Graças à informatização de grande parte dos trabalhos nas empresas, facilmente conhecemos em que medida se usam os diferentes softwares e ferramentas e durante quanto tempo. Deste modo, comprovaremos se os programas informáticos se adequam às nossas necessidades e se os empregados os manejam eficazmente. É necessário dedicar uma hora para preencher uma ficha de pedido? Talvez a aplicação apresente falhas ou o responsável que o faz não conhece corretamente o seu funcionamento. Uma mudança de ferramenta ou ações formativas para o pessoal que integra a organização ajudará a aumentar a produtividade.
  • Controlo horário. Trata-se de registar a hora de entrada e saída de cada trabalhador da empresa, com o objetivo de definir o grau de cumprimento da jornada laboral. Porém, também podemos comparar este parâmetro com o resto de indicadores para avaliar a dedicação real do empregado.

Além da seleção dos indicadores mais apropriados em função dos aspectos que queremos avaliar, é importante que não percamos de vista o objetivo final de melhoria contínua da empresa. Por isso, é recomendável começar as avaliações em menor escala, para depois ampliar o intervalo de ação a mais indicadores de forma gradual, e realizar um seguimento constante das métricas, completando uma e outra vez o ciclo de produtividade (medição, avaliação, planificação e melhoria).

New Call-to-action

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Rellena este campo
Rellena este campo
Por favor, introduce una dirección de correo electrónico válida.
Necesita estar de acuerdo con los términos para continuar

También te puede interesar

Menú